"Um rapaz muito solitário chegou um dia a pensar que era louco. Bastou, em suas andanças, encontrar outras pessoas que tinham a mesma viagem, que poderia parecer loucura aos olhos dos velhos, para ele perceber, sem muito esforço e com um tesão danado, que a loucura dele havia se transformado em fé."

Toda comunicaçãoo é uma tentativa de levar alguém a agir. Esse blog também. Incorporar dará mais vôo que compreender.

"Que estranhas cenas descreves. E que estranhos prisioneiros. São iguais a nós." (Platão)

"Biografia do orvalho (Manoel de Barros)
A maior riqueza do homem
� a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como
sou - eu n�o aceito.
N�o ag�ento ser apenas um
sujeito que abre
portas, que puxa v�lvulas,
que olha o rel�gio, que
compra p�o �s 6 horas da tarde,
que vai l� fora,
que aponta l�pis,
que v� a uva etc. etc.
Perdoai
Mas eu preciso ser Outros.
Eu penso renovar o homem
usando borboletas."

xiruss@gmail.com 
Xiru no Orkut  
   

<< February 2007 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03
04 05 06 07 08 09 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28





rss feed



24.2.07
sem p�

Sem pé



Cuidado!!!
Os seres azuis estão chegando!!!
Tranquem seus corações!!
Escondam os puros ou puristas!!
Tapem os olhos das crianças, não deixem que elas vejam que podem ser diferentes!!
E,
acima de tudo,
coloquem os chocolates no bunker!!.... =P

Posted at Saturday, February 24, 2007 by Xiru Sander Scherer
1 reclames  

15.3.06
o recado magico

""Chove muito e venta bastante..."

O Recado Mágico

Uma Amiga, Um Amigo, um Pai meio tresloucado e um gato azul...

 Era uma vez uma guria, que teria uma história bem longuinha para contar, mas ela prefere começar com uma cena importante daquelas de não muito tempo atrás. O resto que vem antes fica melhor n'outra hora; assim como fatos importantes mas que não fazem parte deste capítulo também ficarão para o logo mais...

 Bem, voltando à nossa guria, ia ela pelas ruas de uma cidade, que hoje ela sabe exatamente o que sente por essa cidade, mas naquele dia não, não sabia nada, nada do que sentia, mas alguma coisa teria que mudar, alguém tinha de aparecer...

 E então que surge uma outra guria, uma guria linda, elas até se conheciam, mas foi naquele dia que o pacto foi traçado, foi daquele dia em diante que tudo seria diferente...

 Essa segunda guria tinha a cura, a cura para o vazio de nossa protagonista, o fim das dores e dos soluços mudos... E um dia ela veria que tudo tinha sido e seria para sempre muito mais profundo que isso...

 Dizia ela à nossa amiga que numa cidade não muito distante, mas também não tão perto como gostaríamos, viviam seres encantados, um grupo fabuloso de guris maravilhosos e que eles seriam seu alento, assim como já o haviam sido para ela também...

 Aquela era a solução, era disso que ela precisava, de seres mágicos, capazes de fazê-la sorrir...

 Assim mesmo naquela noite elas conversaram pelo telefone com o elo mais forte daqueles seres mágicos...

 A nossa guria e este guri conversaram muito e descobriram que já se conheciam mesmo sem nunca terem se visto...

  E conversaram... muito.
  E telefonaram-se... várias vezes.
  E escreveram... milhões de coisas...
  E de repente nunca falaram do mais importante... (mas isso também é para outra hora).


 Eles se conheceram pessoalmente e se afinaram cada vez mais...

 Só que eles não viveram felizes para sempre... não por enquanto...

 A distância, a distância que só esta guria conseguiria explicar...

 E um dia ela ainda há de explicar...

("Chove em seu rosto também... mas isso lava sua alma...")

 A coisa mais concreta para esta guria neste momento é que aquele guri é uma das três pessoas (de uma certa classe) mais importantes pra ela, e que mesmo que a distância , o silêncio queiram dizer o contrário, os sentimentos são muito, mas muito mais fortes...

 Bem, ela se afastou de muita coisa, mas ele não, ele é um ser mágico, o elo mais forte nunca se rompe. Ele sempre manteve contato, mesmo que indiretamente...

 E qual não foi a surpresa desta guria quando ela chega em casa, num certo dia (na casa de seus pais), onde ela havia deixado seu gato branco Nicolas, que de mágico não tinha nada, e o encontra COMPLETAMENTE AZUL?

 Aquele guri, aquele ser mágico, havia corrompido seu pai, que parecia ter 15 anos, e juntos, um com a tinta outro com a mão de obra, haviam transformado o gato num recado mágico, num chamado a vir a tona...

 Nicolas parecia saído das páginas de um gibi...

 Aos poucos o recado foi enfraquecendo, junto com o azul da tinta, mas para que a guria nunca se esqueça de como ele era importante, ela registoru... na máquina fotográfica, na memória e no coração...

 Aos poucos ela está voltando...

 Existem coisas das quais não se consegue fugir, uma delas são os seres mágicos. "

PS: essa carta recebi de uma grande amiga, de uma família especial pra mim e pra quem passa por perto...


Posted at Wednesday, March 15, 2006 by Xiru Sander Scherer
7 reclames  

10.2.06
Um buraco passou por aqui

Um buraco passou por aqui. Tu viu?

Pai, é verdade isso que aconteceu ontem?
Mãe, cade aquele carinho todo?

Eu vivo falando dessa doença que é a falta de amor e afeto por aí. E por aqui.
Carência carência
Felicidade é indecência
Mesmo sem doença, cura sempre vem bem. Curar a gente do mesmo, mesmo que doa. Nem isso não é preciso.

E falta mesmo. Veja nas ruas, olhe os olhares. Mas eu juntei um pouquinho aqui pra ti, pra colorir um pouco mais essas fotos, um pouco mais de saturação nas cores. Estavam bem bacanas, mas tô longe da perfeição. Sempre estarei. "O único que foi perfeito morreu crucificado". Não morri, tampouco me senti perfeito, mas também me senti na cruz, por não ter as palavras certeiras pra arejar as dúvidas da garotinha. Palavras, sentimentos..... nem sempre um corresponde ao outro. Dificil se explicar com palavras. Ruim se demonstrar com frases. Mas daqui deste buraco não tenho como mostrar o que dizem meus olhos.

Acordei com a forte sensação de o que aconteceu nesse ultima noite foi apensas fruto da minha imaginação. Muito improvável, muito sem pé-nem-cabeça, inacreditável. E o cheiro desapareceu. É, pode ser nonsense também. Seria bom que fosse. Seria bom que não fosse assim, mas essa coisa de inteligência, raciocínio, tem dias que só serve pra criar mal-entendidos. Pra que voltar atrás, né? É dificil se curar quando alguém magoa, é mais dificil ainda quando a pessoa magoa a si mesma sem se dar conta.

Mesmo sem doença, cura sempre vem bem. Curar a gente do mesmo, mesmo que doa. Desentendidos não se estenderam
se entenderam.
Mas aquele aroma que acorda os varios sentidos
(aqueles espalhados pelo não-corpo)
ainda não passou novamente por mim...


Posted at Friday, February 10, 2006 by Xiru Sander Scherer
5 reclames  

31.1.06
Óóó pra vocês!

Óóó pra vocês!


É cara, cansado mesmo. Cansado da ladainha. To com o Arnaldo:
"Eu não acho mais graça nenhuma nesse ruído constante que fazem as falas das pessoas falando, cochichando e reclamando,
O que eles querem mesmo é reclamar,
Como uma risada na minha orelha
ou como uma abelha, ou qualquer outra coisa pentelha
sobre as vidas alheias, ou como elas são feias
ou como estão cheias de tanto esconderem segredos que todo mundo já sabe
ou se não sabe desconfia..."

Todo mundo reclama. Eu reclamo. Eu TÔ reclamando! Mas não cabe mais no meu saco gentinha q reclama reclama reclama e não faz porra nenhuma. Serve praquela mala malcomida e serve pra malandrinho que adora dar lição de moral ouvindo as notícias, seja ele de esquerda ou de direita, conservador, revolucionário ou retrógrado. E agora, José? Ela veio reclamar da amiga, queimo ela que ficou um tição. Mas ja passou né, ninguém acertou as contas, e elas tão por aí passeando juntinhas. Pra que conversar se podem abafar e fazer de conta? Cara, longe de mim. Dai vem a outra e diz que vai ser amiga do Orkut, e dai semanalmente trenho direito a uma mensagem pronta, mandada para toda lista de amigos sem nenhuma distinção.

Eu quero me sentir bem, eu quero esquecer que tenho que cuidar o que falo quando to na hora de lazer. Então eu quero as boas companhias. Então hoje a noite vou vê-las, porque o Dudu tá de aniversário e vai todo mundo pra lá. Inclusive as pessoinhas de lingua afiada, mas lá é tanta gente boa (só ele já vale por dez) que forma uma proteção de energia boa ao redor da gente.


Pros outros pode parecer que acabou o gás. Abandono das palavras, abandono de alguma crença, sei lá. Minha crença nunca foi naquilo que todo mundo pensa. Ou quase todo mundo. "Try to hold some faith in the goodness of humanity". Não é dificil de entender. Mas não me peça fé em políticos. Fé no humano sim, no político não. Política tem (tinha) principio na participação, na repercussão do que tá sendo abafado, do que tá lá escondido tentando aparecer. Sabemos que não é assim. Então to fora dessa política, do teatro. To fora do debate, to fora dessa hipocrisia. Horario eleitoral discutindo idéias que depois ficam em décimo plano, abaixo dos interesses particulares. Então _|_ essa gente, to fora mesmo. Eu fico lá embaixo, tentando ouvir o que uns dizem a respeito do que tem de bom a flor da pele, e tentando entender o que é que eu devo dizer; o que é que eu tenho, o que é que eu posso sentir. Isso sim me interessa.

A imaginação ainda pega fogo, e fico onde tem ar pra combustão, porque pra podridão lá de cima não tem sentido um brilho. Eles lá, eu aqui, muito bem, obrigado. Não vou correr grandes aventuras por aquele mundinho. Não quero ser um Lula, nem um Diogo Mainardi, dois grandes personagens da novela. Não tem muita diferença entre uma coluna do Mainardi e de alguma qualquer da Contigo!. Novelinhas. Pode até ter alguma diferença no propósito de quem escreve, mas a repercussão é vazia igual. Voces vão ler e discutir, se indignar. Mas amanha tem capitulo novo, escandalo novo, eleição nova e ninguém mais sabe bosta nenhuma do que aconteceu no dia anterior.

Então nem tem porque pensar nesses holofotes. Eu satisfatoriamente viro pra minha vida mais sã, mais minha. A vida de chegar no final de semana e preenchar o vazio da morte de durante a semana com um belo banho de mar e boas companhias. Abstinencia mesmo, porque a melhor maneira de fazer o bem é se sentir bem sem precisar fazer o mal. Ã??? Não entendeu?


Posted at Tuesday, January 31, 2006 by Xiru Sander Scherer
3 reclames  

4.1.06
Às costas da imaginação

Às costas da imaginação

Feliz natal, feliz feliz!! Feliz Ano Novo!! Alegria alegria, esperança e angústia no terceiro mundo!!! Hohohohooh, sorriso amarelo, punk says "Santa Claus motherfucker", mas os esquecidos pelo Noel dizem "tomem no cu com seus estilinhos, rótulos e ideologias". "Punk é atitude", "grunge é atitude", mas a atitude no final das contas é copiar a roupa e os trejeitos. Os esquecidos dizem "tomem no cu com seus estilinhos, rótulos e ideologias", e também deveriam mandar se foder esse blog. Porque eu disse "Feliz Ano Novo" e nem desejei pra eles (como esqueci?). Desejei aqui e pra quem eu vi. Eles não vêm aqui, eles eu não vi. Melhor né? Assim ficou mais fácil esquecer deles por uns instantes. Eternos instantes. Bons instantes (como esquecer?).

Quem lembra deles? Deve ter uns heróis anônimos que lembram e fazem coisas impossíveis por eles. Ninguém vê. E eu também nem de todos ouvi "Feliz Natal" ou coisa do tipo. Velha história, quem menos fala pode ser quem mais deseja. Quem menos falou pode ser quem mais fez "pela causa". Ninguém viu quem deu o melhor do Natal. "O melhor do Brasil é o brasileiro", o melhor do Natal é o presente, o melhor do presente é a surpresa, a melhor surpresa é a presença. Sorte de quem tem. Foda-se quem não tem, né puuuuuuuuunk?! Santa Claus motherfucker, não trouxe meu jeans rasgado!

     

Presente presença, mas e quando falta? Não dá pra explicar. O cara é vegetariano e passa o ano só no verdinho. Churrasco parece insosso. Daí é só arrancar os cisos, ou ter qualquer bosta que impeça de morder, que bate aqueeele desejo de carne.Eu quero eu quero eu quero, eu também tenho fome, eu também sou filho de deeeeeeus! Mas nem sempre aquilo que conquistamos passa a ser nosso... Conquistar, cativar, não é tudo, é só o começo. Comer mata a fome, mas ela volta, por isso o paternalismo nunca funcionou direito. Fome de afeto também volta, por isso ideologias nunca funcionam direito. Tem momentos q eu fico preocupado que tu fique triste ou coisa parecida. Me evitar, sumir. Ou eu me sumir.

Então cada vez que tu responde um oi, me da uma coisa boa, um alivio. Mata mais um pouco da fome, mas o cheiro da comida as vezes só aumenta o apetite. "Daria um bom texto toda essa história... sabe que eu tbm tinha muita curiosidade de saber...". Sabe quando dá uma vontade de gritar beeeeeeeeeeeeeeeeeeem alto, por tu ter um problema que não tem como resolver? É o tipo de coisa que punks tinham na cabeça, além do moiocano, só que transformaram em fumaça de baseado e mijo e hugo de álcool. Mas eu não, então tem horas que quase entro em parafuso, porque não faço nada pra aliviar. Ou faço de outras maneiras, mas nem todas que tenho eu posso. Ou posso mas não devo. O diabinho diz pra ir, o anjinho diz pra se conter. Ou será o contrário? Quem sabe o bem na verdade é arriscar-se, perder a cabeça? Não seria muito dificil com toda aquela loucura ali comigo. "O diabo tenta, a faca entra", mas pode ser que "o anjo tenta, a língua entra".

O que foi pode ser de novo. Vou fechar os olhos e usar o que tenho de melhor...


Posted at Wednesday, January 04, 2006 by Xiru Sander Scherer
5 reclames  

25.11.05
Bolo de cogumelo

Bolo de cogumelo


Calor dos céus, hoje fez uns 65 graus. Pior ontem, deu enchente de meleca preta na cidade de tanto pneu de carro derretido. Minha barra de chocolate branco ficou que nem leite condensado. O Sol é um Pólo Norte comparado à temperatura deste hemisfério esta semana. Tem gente se matando pra ir logo pro inferno, porque o calorão aqui não dá mais. As retinas fritam as pálpebras a cada piscada. Se fechar os zóio uns segundos, além do tsssssssssssss, periga grudar a pele ali.

Um perigo, minha gente!
Então de manhã cedo a previsão na rádia era de um temporal fodônico no turno vespertino. Bom, depois, ao meio dia, a previsão já era do temporal acontecer à noite, com crase. Crase que eu acreditei, mas não sou mais muito bobo, don! E nada de água, nada de vento até agora. Vento, só eu. Xiru ventando por aí!! Xiru ventando por aí!!

Depois de umas 8 semanas sem cogitar pintar o cabelo, sem pensar nada disso, resolvi que pintaria de novo. Mas teria o problema de conseguir tinta. E não é que no dia seguinta achei tinta boa numa loja, bem por acaso?
E nesse mesmo dia uma amiga ficou fazendo propaganda do bolo dela. E eu fiquei falando de ir no show do Pearl Jam. E não é q no dia seguinte descobri que uma avó do Vedder (vocal) se chamava Pearl, e fazia um bolo com substância alucinógena. O bolo recebeu o nome Pearl Jam. Quero um pedaço!

Ventandoooo! O grande momento tá chegando!
Que grande momento, mané?
Oras!  A chuva! A cor! A dor! O parto! O parir! O partir! A partir do show!



mas e se tu não for? tu disse preu ir aí visitar...
sim sim sim
vem me visitar
e tirar fotos

heiohee
oiio
oioi
papapapaaaa
oooooooooooo
obrigado pelo invite
mas vo de manhã ja pra fila
dai
eu vo ta na fila
enfileirado
perto do portão
empoeirado
e tu não ta mais aí
e nem aqui
bruu
brrruuuuuu
brrrruuuuummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
bbrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrruuummmmmmmm  
fóóóó fóóóóó
iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinhóóóóómmmmmmmmmmmm
luuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuis
 aaaaarrgh!!!! gasp gasp!!! ptouuuu!
chuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuim
cuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuin

chuim?
eu to aqui!
chum pláin?
oi
é acabei de emitir esse som :-O
então, garota:)
emite no microfone
eu vo pra fila de manhã

daí
e cheio de trakinas na mochila
:-O

tu q vai me visitar lá
issssoooooooo
exato
e agua tbm
e banana tbm
e bolo
:(
eioheioheeie
vou levar até um pinico.. pq tbm terei q ir aos pés.. agora q me dei conta
bolo?
ebaaaaaaa
ceeeeeeeeeeeeeeeeeeerto q vai ter bolo
veja bem
ou melhor
ouça bem
vejo
ouço
ah não.. é msn.. é VEJA bem mesmo:
heioheioe
vejo

se tu for, tu vai levá bolo
se tu não for, vai ter me dado um bolo
e se for sem bolo, terá me dado um bolo em relação ao bolo
booooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooh
ih.. =F entendeu?
curti muitoooooooooooooooooo essa
meu deus
que genio

:-O
auhuahuahuahuauahuauh
entendi néééé ;}
não é genio
é na cabeça
como que tu consegue viajar tão longe
em tão pouco tempo?
:-O
eoiehieoe
é alegria, bruuna

Posted at Friday, November 25, 2005 by Xiru Sander Scherer
7 reclames  

11.11.05
Problema da tua solução

Problema da tua solução

Ah, um reencontro oceânico, rodeado por outros encontros. Um rio que chega ao mar?
Ah mar! O mar!

Minha
linguagem é tão fantástica que seu calor e humidade arrepiam tua nuca
que seu valor e humildade são quase contraditórios
que fome pode trazer tristeza (de comida, de afeto) e alegria (de mudança, de bola)
Essa linguagem é tão arriada que palíndromo não é palíndromo
Ainda bem que "inconstitucionalissimamente" também não é.. senão ia ser horrível de pronunciar........ etnemamissilanoicutitsnocni!!!!!!!!
E tu, então?
E Itu então?

É que meu coração é tão pequeno que qualquer incerteza já me deixa feliz
que qualquer lágrima alheia me preocupa
que qualquer sorriso me apaixona
que nenhuma paixão me isola
que nenhuma ofensa me dá rancor
que nenhuma regra me aceita

Somos tão frágeis que qualquer tsunami muda o eixo do mundo
que qualquer humanidadezinha estraga tudo
que qualquer humanismo é tido como ridículo
que qualquer asteróide é estrela cadente
que qualquer esteróide faz você decadente

Minha humanidade é tão caótica que unhas quebradas estragam uma festa
que promessas quebradas estragam a união
que video-games estragam o apetite
que almoço é abstrato no cotidiano coitadiano de muita gente

Mas, nesse caos, fins podem ser novos começos
erros podem dar certo
certezas de otários podem dar errado e o bem acontecer
Mas caos é caos
e a dúvida sempre perdura
assim como o recomeço
(ou isso também devo pôr em dúvida?)

A única certeza é a morte
-- e olhe lá.........

Minhas soluções são tão ilegíveis que mandaram minha lógica pro curso intensivo de caligrafia.
Mas o curso foi tão intenso que ela não aguentou e fugiu.
Hoje vivo escondendo meus logismos e mostrando apenas raciocínios xerox. Esse sim todos entedem, pois seus racio-símios estão mais acustumados a primatismos.

Xiru ventando por aí!!! Xiru ventando por aí!! Vc olhou, tava aí, vc piscou ele ta aqui!

PS: essa foto merecia um prêmio. Olhe bem.


Posted at Friday, November 11, 2005 by Xiru Sander Scherer
4 reclames  

1.10.05
Surpresas azuis

Surpresas azuis
Parte III de "Mão-boba na consciência"

O fundo do poço todo mundo conhece. Ou acha que conheceu. Ou acho que conheci. Eu não sei, eu só sei que nenhuma voz chegava até lá. O oco do nada. Pode ser  falha na meia dúzia de sentidos que tenho, pode ser só um engano, pode ser a mais pura realidade. Ou quem sabe a mais pura realidade era ilusão. Desiludir matou o "real". Desilusão, desrealização. Ou apenas um engano. Engano? Mas o que é engano a essa altura do campeonato (ou fundura do poço)? Ter se enganado a vida toda ou achar que estava enganado a vida toda? Um engano que já tá no meu sangue, ou apenas um momentâneo?

            
Eles nem se dão conta que tocam baldes de água na boca de quem tá se afogando. Eles não têm culpa, são como nós, fracos, ou fortes que fraquejam. Ou fracos que por vez são fortes. É, principalmente quando a força é pra tapar os olhos e os ouvidos. É a força da fraqueza. Arrumam o cabelo e deixam o rosto bonito na frente do espelho, mas são suas costas que conhecemos melhor.

            
Mas depois de tanto embromeition e angústias, surgem pessoas que fazem valer a pena. Ou pode ser só mais ilusão. Ou ilusão de ilusão, o que leva ao ponto inicial: o real. Valem a pena. Talvez tudo caia de novo um dia, mas tudo um dia mais uma vez será bom, porque de novo aparecerá pessoas como elas. Que acendem teu brilho. Que têm tanta energia que só de te olhar tu já recarrega as baterias. E agora quem sabe existem alguéns que não precisam partir pra que tudo se renove: alguém que, por si e por ti, com aquele mesma energia, muda tudo ao redor de novo.... porque tudo tem que se alinhar à vontade de fazer alegrias.

E quem sabe tu é esse alguém para uma pessoa muito perto de ti...


Posted at Saturday, October 01, 2005 by Xiru Sander Scherer
7 reclames  

17.9.05
Indefinição

Indefinição

Foto é arte?
Literatura é arte? Pintura é arte? Blog é arte? Sexo é arte? Amor é arte? Vida é arte? O cotidiano é arte? Aprender é arte? Tristeza é arte? Música é arte? Artesanato é arte?

Arte é arte?
Nascer é arte?
E morrer?

Não acho que isso ou aquilo é arte. A arte não tá nas coisas. Coisas são coisas. Coisas sequer chegam a ser, por si só, o nome que recebem.
A arte não está numa criação (por mais anônima que ela permaneça pra sempre).
A arte não está na obra de arte (por mais consagrada que ela seja).



A arte está nos olhos de quem vê. (Ver é mais profundo e sensível que olhar).
A arte tá nos ouvidos de quem escuta
no coração de quem se emociona

"Desaprender oito horas por dia ensina os princípios" (*Manoel de Barros)
e quando se dá conta está em silêncio de si. Acho que é pra se ouvir melhor.

Simples? Sim.
Não?!? Então lê com calma.
Arte é tu.


(Se for pra usar uma legenda na foto do Tom Zé, vai essa, de novo:

"Eu to te explicando pra te confundir
eu tô te confundindo pra te esclarecer
to iluminando pra poder cegar
eu to ficando cego pra poder guiar...")


Posted at Saturday, September 17, 2005 by Xiru Sander Scherer
7 reclames  

12.9.05
What a fuck do you samba??

"What the fuck do you samba??" *

É, eu tava escrevendo sobre (s*e*g*r*e*d*o) de novo.
Mas o repórter da Globo fez a babaquice de dizer mais ou menos isso:
"Depois de quatro anos do ataque terrorista nas torres gêmeas, a cidade continua vulnerável, com os mesmos problemas de seguranças e as torres continuam a ser construídas incapazes de resistir a um ataque como o de 11 de setembro de 2001."

Idiota. Ou ingênuo mesmo. É, esse é o problema, ingenuidade. Não a dele, mas a de quem assiste. Ou de quem ele acha que assiste. Idiota.

É como dizer: "Aqui na África do Sul continua, ano após ano, crescendo assustadoramente o número de aidéticos. E os hospitas continuam incapazes de ajudar a todos e a medicina ainda não inventou uma cura." É?? Não seria mais inteligente e construtivo falar da péssima educação sexual, do desconhecimento que as pessoas lá têm dos anticoncepcionais?

Pois pra mim se os EUA sofrer outro ataque não é porque continuam vulneráveis. Impossível estar muito protegido contra maníacos terroristas (como é o próprio militarismo norte-americano: vulnerável e terrorista).

Image Hosted by ImageShack.us

Image Hosted by ImageShack.us

A culpa dos próximos ataques é: eles continuam com a porra da política externa de militarização e saqueamento em nome duma  "democratização" genocídica, cheios de boas intenções como um estuprador que goza na cara da vítima.

Eles e seus dólares cheios de petróleo (bode expiatório de tantas guerras e do próprio ataque ao WTC). Eles e tantos de lá viciados em cocaína, religião, mentiras, dinheiro e glamour, tudo que tem de mais precioso num mapa da putaria. Eles e suas marcas famosas que vão colonizar os cemítérios de memórias, como fazem mais sutilmente por aqui. Aqui é com vaselina, lá é no pau seco mesmo. Prazer e dor. Filhos da puta. Igual aos nossos políticos.

Boa digestão.

* Frase do célebre Zé do Bêlo.

Posted at Monday, September 12, 2005 by Xiru Sander Scherer
4 reclames  

Next Page